Artigos

O Lay Off dos Unicórnios

Por: William Monteath

E sobre essa onda de lay off nas empresas de tecnologia?

A primeira reflexão que tenho é que “lay off” é um termo em inglês que surge para dar uma amenizada no atual momento vivido pelas companhias ao redor do mundo, evitando-se assim o uso da expressão “demissão em massa”. Esse conceito é bastante pesado, não? Mas é mais ou menos o que está acontecendo em diferentes empresas e startups de tecnologia, serviços, imóveis, finanças, etc. 

Termos em inglês vêm assumindo há tempos o protagonismo no nosso vocabulário, mas os tais “lay offs” são uma relativa novidade, sobretudo num ambiente marcado pela escassez e consequente briga por profissionais de tecnologia.

O poder, até então, estava na mão dos profissionais de tecnologia, que costumavam ganhar os melhores salários do mercado, ótimos benefícios, stock options, flexibilidade de trabalhar em qualquer parte do mundo recebendo em dólar ou em euro, etc. Pouco antes do início da pandemia de Covid-19, quando o trabalho ainda era presencial, não faltavam escorregas nos escritórios e barris de chopp liberados para o happy hour (ou hora feliz). Será que o jogo virou?

O mundo pós-covid está se reconfigurando, como Gregor Samsa, do escritor Franz Kafka, que acabou metamorfoseado num inseto monstruoso enfrentando as dificuldades de sua nova forma. Inflação nos Estados Unidos subindo como nunca e Europa sofrendo com uma potencial crise energética, que, por sinal, é consequência direta da guerra entre Rússia e Ucrânia.

Com o cenário atual de juros altos, o que normalmente acontece é que o dinheiro vai para onde existe maior segurança: dólar e renda fixa, diminuindo-se a fatia destinada aos investimentos com maior índice de risco. Então não é que o dinheiro secou, mas certamente as empresas estão muito mais focadas em gerenciar melhor seus caixas do que em competir em uma corrida maluca por disruptar e criar produtos tecnológicos para resolver as dores que o público nem sabe que tem. 

Isso explica os tais lay-offs? Em parte. Em conversas com os fundos de venture capital, entendemos que se antes os investimentos eram destinados para quinze empresas, agora a peneira é maior. Duas boas companhias no caminho certo já cumprem a meta dos fundos de capital de risco, reforçando a chacoalhada que o mundo da tecnologia está tomando e fazendo os unicórnios sofrerem. Pobres animais mitológicos.

E o que vem pela frente? O mundo está se reacomodando, assim como Kakfa o fez e como grande parte do mundo corporativo vem fazendo. As forças de oferta e demanda não param. O mundo continua girando, o que me faria apostar que os lay offs são passageiros e que, depois dos reajustes, voltaremos a ver os profissionais de tecnologia disruptando e criando caminhos novos para evoluirmos como sociedade. Afinal, em breve não existirá mais empresas de tecnologia, pois “toda a empresa será de tecnologia”, como já dizia Satya Nadella, CEO da Microsoft e sucessor do Bill Gates.

Gostou desse conteúdo? Compartilhe em suas redes
Share on facebook
Share on linkedin
Share on whatsapp

Posts recentes

Guia de Tech 2022

Lançamos hoje, com exclusividade para a Forbes Brasil, o Guia Salarial de Tecnologia 2022. Nosso 2º Guia de Salários dedicado a esse setor que cresce cada

Leia mais

O Lay Off dos Unicórnios

Por: William Monteath E sobre essa onda de lay off nas empresas de tecnologia? A primeira reflexão que tenho é que “lay off” é um

Leia mais

Guia Salarial PE&VC 2022

Divulgamos hoje, com exclusividade para o Valor Econômico, o Guia Salarial de Private Equity & Venture Capital 2022. O 1º Guia de Salários focado exclusivamente nesse

Leia mais